11/07/2014

NEM TUDO DEVE SER FALADO II


    O Abistemar saiu com os amigos e foi pra gandaia, começando pelo buteco, o Copo Sujo, bem ali num cantinho da Rua do Assobio que corre de pareio com a linha do trem. 
    Depois de entornar umas no bucho, a turma resolve que deveria ir prum lugar mais movimentado, a fim de ver as mocinhas da cidade e de alhures. Acanhado demais da conta, Abistemar nem sabia como começar uma conversa com uma moça que vira num cantinho do bar da rodoviária, no centro de Tabuí.
    - Quecofaço, gente? Quecofalo? Dasvêis ela é tamém da roça...
    - Carqué coisa, sô! Cê pofalá carqué coisa pa moça...
    Este o palpite do Horódoto, seu amigo do peito. Quando ele se dirige pronde ela tava, a moça sai de carreirinha. Abistemar bem viu o rumo que ela tomou, o do banheiro feminino. Ele apenas teve tempo de dizer “rummm” e voltou aos amigos que esperavam inquietos e curiosos:
    - Deusolive, gente! Oquecofalo prela niqui ela saí de lá?
    - Carqué coisa... A gente já falamo isso procê, sô! Pofalá carqué coisa...
    Depois de uns dez minutos de agonia do Abistemar, suando fedido e tremendo feito vara verde ao vento, a mocinha saiu, requebrante e saliente. Dá uma olhada pro moço que, de nervoso, quase invadia de fianco o banheiro das mulheres e sai apressada. Ele a acompanha e, já que poderia falar qualquer coisa – no dizer dos amigos - Abistemar resolveu falar o que ocupava seu pensamento no momento. Bateu no ombro dela, fazendo-a parar e tascou o seguinte cumprimento:
    - Tava dano uma cagadinha, hein?
(Causo contado pelo Divino Martins, de Itapuranga-GO)
©By Eurico de Andrade, in Tabuí e seus Causoshttps://www.facebook.com/causos e http://tabui.blogspot.com.br/
Postar um comentário