04/09/2014

CAIPIRA NA CIDADE GRANDE


   O sonho do cidadão tabuiense é conhecer Belo Horizonte. Cada um sente que até o seu status muda dentro da sociedade quando fala que já foi à capital. Foi por isso que o Zé Tranquilim, mesmo sem conhecer Tabuí direito, vendeu umas cabeças de gado e se mandou pra Belzonte.
   Aquele monte de prédio caquele tantão de carros e o povão no meio da rua, fez o Tranquilim perder a tranquilidade. Ficou foi tonto. Aí, numa hora em que sentiu necessidade de atravessar a Afonso Pena, teve que chamar o guarda. Olhando pro Zé, com aquela cara de mocorongo, o guarda não teve piedade.
   - Atravesso o senhor... Mas custa trinta mangos... Topa?
   O Zé Tranquilim achou aquele trem danado de esquisito e não topou. 
   - Ah... Coá!... Diacho de trem caro, sô! 
   Ficou ali pensativo e pondo sentido no movimento do guarda apitando pra cá e pra lá para botar ordem na carraiada e no povo maluco. Foi nesse momento de confabulamento que parou ao seu lado uma moça com uma camisa muito decotada e colorida, uns colares e uma sainha chitada e curta. Na mão, uma bolsinha piquititita e no rosto um monte de pintura, além de batão nos beiço... O Zé até que achou ela ajeitada, mas, se fosse dele, não vestiria daquele jeito não... Aí viu que a moça ia atravessar a rua. Ela viu também a cara de mocorongo dele e já começou a pensar maldades. Quandefé ela olhou pra ele, deu uma piscadinha e convidou:
   - Vamo?
   - Quanto é, dona moça?
   - Só cobro cinquentinha... Tá bão procê?
   - Virgomaria! Que trem caro! Cuesse preço aí minha preferença é í com o guarda! 
©By Eurico de Andrade, in Tabuí e seus Causos https://www.facebook.com/causos e www.tabui.blogspot.com.br/
Postar um comentário