15/02/2009

Podela... É o troço!

Em Tabuí, certa ocasião, havia um armazenzim cujo dono, o seu Zé Biriba, se gabava de ter tudo, qualquer coisa que se pedia no balcão. Se não tinha, fazia questão de encomendar a qualquer custo, só para atender o cliente. Com isso, a fama do estabelecimento corria pela região e vinha gente de toda parte procurar coisas que não se achava nem na capital da emigê.
Sabendo disso, um paulista, daqueles bem folgados, que estava passando as férias pelas Minas, decidiu conhecer o tal Zé Biriba do armazém. Chegando lá, pediu uma coisa bem difícil, uma barra de direção para sua pick up importada. O Biriba foi lá no fundo, caçou, caçou e, passou nem dois minutos, voltou com a tal peça.
O paulista, espantado, pensou:
- Não é possível que esse cara tenha tudo aí, vou tirar um barato da cara dele. Voltou para o hotel e ficou a noite toda pensando em como iria pegar o cara da venda. Pensou bem e no outro dia foi até o armazém e pediu:
- O Zé, você tem podela?
- Ãhn! Podela?
O Zé Biriba olhou espantado, coçou a cabeça, craniou, craniou e falou pros seus botões: "Podela? Que diabo é isso? Nunca ouvi falá nesse troço... E agora? Se eu num atendo esse cara aí, todo metido, meu estabelecimento vai perder a fama e os criente vai sumir! Oquecofaço?”
Pensou mais um pouco, coçou a cabeça, suou frio, ficou desinquieto, foi lá fundo, voltou e disse ao paulista:
- Óia aqui, ó: tá em farta, mas vou encomendá e amanhã cedo o senhô passa aqui e pega. É dez o quilo.
O paulista, meio desconsertado com a resposta do Biriba, voltou pra pensão pensando: O que será que esse mineiro vai achar com esse nome?
O mineiro Biriba fez de tudo, ligou pros seus fornecedores lá de Bambuí, de Bel’Zonte e até de Tapiraí, mas ninguém fazia nem idéia do que seria aquele trem. Foi aí que veio aquela coisa no pensamento e ele percebeu que o paulista tava era de sacanagem. Decidiu dar o troco.
No almoço daquele dia, o Zé comeu uma bruta feijoada. À noite não deu outra. Foi ao banheiro e prrrrrrrruhhhh. Fez aquele trem enorme e fedorento. Pegou o troço com uma pazinha e botou no forno por umas 3 horas até que virasse uma pedra bem dura. Aí, colocou tudo na maquininha de moer carne, embalou e deixou em cima do balcão com a devida identificação.
No dia seguinte chega o paulista todo imponente, com um sorriso no rosto e, já esboçando um ar de vitória, disse:
- Conseguiu encontrar minha encomenda?
- Craro, uai!... - Disse o mineiro, mostrando o saquinho no balcão.
O paulista então pediu:
- Quero quilo e meio!
- Tão aqui, sô! É quinze mango!
Então, o paulista, curioso, pegou um bocado do pó com dois dedos e experimentou uma pitada. Pediu uma colher, encheu e mandou ver, tentando descobrir o que era aquilo com aquele gosto estranho.
- Mas isto aqui é bosta!
O Zé Biriba riu amarelo e disse:
- Não! É não, sô! Isso é o pó dela.

(Este causo foi, com a devida autorização, surrupiado e adaptado do http://loucurasedevaneios.blogspot.com/ )
Postar um comentário