04/06/2014

NEM TUDO DEVE SER FALADO

     
     Baile no ranchão, assim num canto da praça central de Tabuí. Chega o cabra, com cara de gente da capital, bem apessoado, bom de fala e cheio de boa vontade de arrumar uma namorada. Para isso, cismou de dançar com as moças todinhas que havia no baile. Dançou, dançou e dançou e, quando pensou que havia dançado com todo mundo, viu uma senhorita escorada no pau da barraca. Pensou “com essa num dancei inda não”... Chegou-se a ela e fez o convite:
     - A senhorita poderia dançá comigo esse toque?
    - Não, moço, o sinhô me descurpe causdiquê eu num sei dançá. Quem dança é miirmã.
     - E cadê sua irmã?
     - Uai, ela foi no banheiro dá uma cagadinha, mas já vorta.
     O moço pensou “mas que trem isquisito esse? uma moça inté bonita falá uma coisa assim pra mim?...”. “Ela deve de tá co pensamento muito longe e nem atinô com o que falô... Deve ser boa de papo. Vou conversá coela mais”...
     - Mais, ô moça, ocê acha que sua irmã vai demorá muito?
     - Não, moço, vai demorá não... Ela já saiu daqui peidano... 
     O visitante resolveu deixar de arrumar namorada em Tabuí. 
(Causo contado pelo amigo Divino Martins, de Itapuranga-GO)
©By Eurico de Andrade, in Tabuí e seus Causos https://www.facebook.com/causos e http://tabui.blogspot.com.br/
Postar um comentário