04/05/2013

PINGUÇO MANSO



Cirino recebeu visita do seu conhecido Luiz dos Prazeres, dos tempos em que trabalhou em São Paulo. No lugar de levar o homem pra casa logo, foram primeiro pro boteco tomar umas.
- Ó Luiz, aqui ocê vai cunhecê uma pinguinha da boa, sô! A mais mió de Tabuí e vi falá que do mundo!...
E taca Providência no senhor Prazeres que já tava ficando de olho torto. A alegria do Cirino é que o visitante era homem abonado e, portanto, preocupação com a conta não havia. Já tarde da noite é que ele resolve que é hora de ir pra casa.
- Ó, sô! Praminhã a muié já tá preparano um armoço dos mais mió de baum. Cê vai cumê é franguim ao moio pardo no armoço e doce de marolo de sobremesa... Pãozinho de quejo nora quiocê quisé... Cada dia uma cumida diferente... Aí quiocê vai vê o qui é uma mineira boa de cuzinha, sô! Minha muié é das mais mió que tem...
- Cumpá Luiz, agora vô mostrá procê a minha casa!...
Cês viram que o tabuiense não deixava o outro falar. E lá foram os dois, prum dos cantos da Rua do Assobio. Ao chegarem, Cirino continuava com a palavra:
- Ó, cumpade! Tá veno aquela marelinha ali? É a minha casa. Entra padento!... Tá veno essa sala? É minha! Ali é minha cuzinha, ali é minha varanda e ali é meu quarto. Vem cá pcê vê!... E aquele ali durmino ca minha muié sô eu!... Uai!?...
Postar um comentário