08/05/2013

APAGANDO COM A GILETE



No grupo escolar de Tabuí tem a professora Betânia, a melhor alfabetizadora que já aparecera por aquelas bandas. Famosa mesmo. Tava ensinando pros meninos as famílias para a formação das palavras. Ba, Be, Bi, Bo, Bu... Pa, Pe, Pi, Po, Pu... No final do dia ela dá como tarefa pros seus alunos escreverem, em casa, a família do C.
Helinho não se faz de rogado. Queria sempre agradar à professora. Chega em casa e pede ajuda do pai.
- Intão vai, fio, iscreve aí: Ca Ce Ci Co Cu...
Helinho escreveu, com letra incerta e insegura o que o pai mandou. Mas o pai não gostou muito daquele negócio. Examinou, examinou e resolveu apagar a última sílaba. Não podia mandar aquele trem indecente pra professora Betânia, coitada!... Só que, cadê a borracha? Não tiveram dinheiro nem pra comprar o material escolar completo do filho... Naquele tempo nem Bolsa Escola havia... Aí o pai, com todo o cuidado, pegou uma lâmina de barbear velha e raspou a última sílaba que o Helinho havia escrito.
No dia seguinte, chega o Helinho à escola, doido pra mostrar o dever de casa pra professora Betânia.
- Leia aí, Helinho, bem alto a sua resposta!
- Ca, Ce, Ci, Co....
- Uai, Helinho, cadê o Cu?
     - Uai, fessora, o pai rapô ca gilete!....

(Causo recolhido e enviado por Edelson Silva Pereira Lopes, de Brasília-DF)
Postar um comentário