26/06/2014

FEIURA CHEGOU E PAROU

   
Toinzim Guela era menino feio demais da conta. Ficava perto da rodoviária de Tabuí, feito mosca varejeira, esperando viajante com mala. Chegou um e o menino se ofereceu:
   - Deixe eu carregar a mala do sinhô inté na pen
são...
   O recém-chegado analisou a cara do menino e a feiura dele mostrou a cara. Feio pra diabo. Feiura até doía.
   - Quanto é que ocê cobra, fio?
   - Não. Vô dá preço não, moço! Deixeu levá e lá nóis cumbina...
   No trajeto o moço ficava observando, com o canto do olho, aquele desarranjo de feiura do Toinzim Guela. Ao chegarem à pensão, o menino botou a mala num banquinho e ficou olhando pro moço, com olhos pidões.
   - Quanto é, meu fio?
   - É deiz, moço!
   - Fio, ocê vai me perdoá, mas vou dá vinte pelo tanto que ocê é feio...
   - Anem, moço! Se o sinhô visse meu irmão, sinhô dava era cinquenta...


(Causo contado pelo amigo Divino Martins, de Itapuranga-GO)
©By Eurico de Andrade, in Tabuí e seus Causoshttps://www.facebook.com/causos e http://tabui.blogspot.com.br/
Postar um comentário