26/05/2013

PAPO DE COMADRES


Duas amigas, com muita quilometragem rodada, encontram-se após alguns anos de separação e trocam confidências na pracinha de Tabuí, assim bem sentadas no banquinho:
- Cumé cocê tá, sá?
- Tintiano, cumade Lilica... Tintiano. E a famiage vai bem?
- Famiage vai bem, sá! Ieu é que ando cumas coisa, cumade Mariana. Lá in casa o trem tá feio!
- O que qui tá feio, sá!
- O Ditão, uai! Niqui chega de noite lá vem ele com aquela mãozona boba!
- Rummm! E daí?
- Daí, sá, é qui eu ando tão sem vontade, cumade Mariana!...
- Ó cumade Lilica, é o seguinte: é só cumeçá a coçá qui o trem vorta, sá!
- Cê acha quié mezzz, cumade?

- Cumade Lilica, muié é iguar qui onça: fica véia, perde inté os dente, mas a vontade de cumê carne num passa não, sá!... 

(Baseado em relato de Luzia Nunes, de Aparecida de Goiânia-GO)
Postar um comentário