28/03/2013

OS MANDAMENTOS




O Padre Olindo viera a Tabuí substituir o Padre Anacleto nas férias. Trabalhou muito e deixou marcas na cidade e, segundo as más línguas, descendência. Como era novo, cheio de energia, resolveu fazer o seu trabalho apenas de bicicleta. Ia pra todos os cantos do município pedalando, no que era acompanhado pelo sacristão, a cavalo. Missas, batizados, primeira comunhão, encomendamento de defunto, lá tavam os dois, nos seus respectivos meios de transporte, seja no Ingazeiro ou na Caatinga, no Capão dos Óculos, na Mata ou na Perdição e até no Chapadão. Vez por outra chegava o padre bem primeiro que o sacristão. Aí ele aproveitava para ter um contato mais direto com o povo de Deus. Mas, certo dia, o sacristão exagerou na dose e demorou demais da conta. Chovera no meio do dia. O Padre Olindo chegara de manhã, antes da chuva e ficara zanzando por ali, de fazenda em fazenda, enquanto o sacristão, por causa da enchente, apareceu quase na hora da missa, lá no Sapé. E chegaram juntos à igrejinha. O sacristão estranha o padre a pé e pergunta:
- Uai, padre, quede a sua bicicreta?
- Ih, rapaz! É mesmo!... Cadê? Acho que foi roubada!...
- Manépussive, padre! Robada ondé?
- Não sei, rapaz! Não me lembro como fiquei sem ela...
O sacristão, com a pulga atrás da orelha, dá um pitaco:
- Tenhumideia pra sabê quem foi, sô padre. Na hora do sermão, gorica mezzz, o sinhô fala os 10 mandamento. Quando chegá no “Não roubarás”, dá uma paradinha e óia bem no zóio de cada fiél... O curpado, com certezz, vai ficá muito do sengraça e se denunciá!
Quando terminou a missa, o sacristão quis logo saber a impressão do padre na hora do sermão.
-Intão, sô padre? Achô qui deu certo?
- Maizomeno, meu filho! Na verdade, quando cheguei ao “Não desejarás a mulher do próximo” acabei me lembrando de onde deixei a bicicleta!...
Postar um comentário