25/03/2013

HOMEM NA FOSSA




       
Assim que o Esperantino caiu no buraco da fossa do grupo escolar, a cada vez que conseguia boiar botava a boca no mundo, gritando desesperado:
- Chama os bombero aí, minha gente! Socorro! Fogo!... Fogo!...
Aí ele tentava subir, escorregava e afundava de novo:
- Fogo! Meu Deus do céu!... Glup!... É fogo!,.. fogo, minha gente!...
Apareceu gente de tudo quanto é canto, pensando que o grupo escolar estava de fato pegando fogo. A diretora, dona Vânia, veio correndo ver o acontecido, acompanhada por um bando de professoras e mais a meninada da escola. Bombeiros nunca existiram por aquelas bandas de Tabuí. Foi na décima terceira afundada do extenuado Esperantino que chegou o Zezé Camisão correndo com uma corda. Foi a conta de jogar a danada lá dentro, o Esperantino atarracou-se nela e a turma puxou com cuidado pra ele não escorregar e retornar  pra fossa.
Quando o acidentado chegou são e salvo à beira do buraco, o cheiro era terrível. Aí veio o professor Aloísio, tampando o nariz e, curioso, perguntou.
- Mas porque o senhor caiu na fossa e ficou gritando “fogo”, Esperantino?
- Uai, fessô! O sinhô acha que se eu gritasse “merda”, “merda”, vinha um fidideus me ajudá? Todo mundo ia era pensá quieu tava xingano arguém, uai!...
Postar um comentário