01/11/2008

Palavra de Bêbado Vale?

Dois negociantes da cidade grande resolvem sair pelo interior a fora a fim de passar a perna na capiauzada.
Foi aí que chegaram a Tabuí, cidadezinha alterosa. Num boteco de um cantinho da cidade, caladinho, sentado num tamborete, estava o velho Vito. Cavalinho piquira lá fora, esperando o dono tomar umas e outras para depois carregá-lo com toda paciência para casa.
Só que o velho Vito, capiau desconfiado e esperto, sem nem um tostão no bolso, estava esperando alguém para também dar um golpe.
Quando os dois bacanas entram no boteco, tendo visto o cavalinho lá fora, olham gulosos para o velho. E este, vendo os dois, mira sedento nos olhos de cada um e faz aquele ar tristonho de capiau sofredor e ignorante. E o Vito, mesmo olhando a importância dos dois, pensa com os seus poucos botões: "pra quem tá com fome e com sede duma branquinha, formiga é pimenta do reino. Vô enguli essas duas formigonas engravatadas..."
- Não quer vender o cavalo, meu amigo?
- Vendo uai! Vinte mil mango é o preço dele. Quem pagá leva!
Os negociantes se entreolham e resolvem executar um plano que já tinha dado certo diversas vezes. Encher de cachaça o vendedor para levar o animal praticamente de graça.
- Não quer acompanhar a gente num traguinho, meu amigo?
- Carece não, moço! vô injeitá! Responde o velho Vito já arrependido da resposta. Boca seca. Sede danada duma branquinha queimadeira.
- Eu insisto, meu amigo! Venha pra junto de nós!
O velhinho sai, morrendo de humildade, do seu cantinho, e de uma golada só entorna no bucho meio copo de cachaça e ainda lambe os beiços.
Os negociantes gostam da reação do velho e pensam: "já está no papo". Mandam encher outro copo que o velho Vito entorna novamente de uma golada só.
- Quanto é mesmo o cavalinho, meu amigo?
- É trinta. Trinta mil mango é o preço dele. Quem pagá leva.
Os dois da cidade grande se olham meio assustados; Pedem mais uma talagada para tirar a dúvida, e o velhinho emborca tudo de uma só virada.
- O cavalinho é quanto mesmo, meu amigo?
- É corenta. Corenta mil mango. Quem pagá leva.
Depois de mais uns três copos da branquinha, com o velho Vito já bêbado, de quatro e trocando as palavras, o cavalinho já estava custando setenta mil paus. Os dois negociantes cada vez mais assustados e ficando sem graça com a história. Entornam mais bebida no velho.
- E o cavalinho, velho, diga quanto você quer por ele?
- Ieu? Hic... Quero nada não, moço! Hic... Num é pra vendê mais não! Hic... Ia vendê ele pra tomá uns golo. Já tomei dimais da conta, agora vendo mais meu amiguinho não, uai! Hic!..

5 comentários:

Dalinha Catunda disse...

Oi Eurico

Bêbado quando dá pra ser teimoso,
Não é brincadeira não.
Bebe uma, duas e três,
Chega até a cair no chão.
mas não quebra a palavra
fica cheio da "marvada"
Mas não muda a opinião.

Dalinha Catunda

Eurico de Andrade disse...

Bravo, Dalinha! Mais uns versos de uma artista do sertão para o meu Tabuí. Obrigado.

Leila disse...

Dalinha tá danada de gosto pelas rimações. Isso é bom!
Conhecia esse causo através do Coronel Ludugero. O causo é bom e não perdeu nadica de nada agora, quando escrito por Nhô Eurico.
Valeu, blogueiro!
Grande abraço.

www.mirzesouza.blogspot.com disse...

Ah velhinho esperto! Também não dá certo um mineiro passar a perna no outro, não é assim, Eurico? Pelo menos em relação à grana. Bem feito para quem queria enganar o pobrezinho!
Eu como sempre entro no texto e me personalizo de alguma forma.
Muito bom, Eurico!
Parabéns, e não deixe de me avisar, quando tiver causos de Tabuí.

Abraços

Mirze

Anônimo disse...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,