14/05/2013

MALDITO ANALFABETISMO II



Teodora vivia num sofrimento danado na capital federal. Analfabeta desde que saíra de Tabuí, analfabeta continuou. Nada sabia ler daquelas placas na rua nem os nomes e números dos ônibus e nem nada. E tinha vergonha quando alguém descobria isso, que ela julgava grande defeito.
Num certo dia Teodora estava na parte superior da rodoviária, esperando condução e parava todos os ônibus que passavam a fim de acertar aquele que a levaria ao destino.
- Prondé qui vai esse ômnis? – Perguntava ela.
- Vai pro Paranoá! Ou “Vai pra Asa Norte”! – Respondia o motorista.
Em certo momento, ela parou pela segunda vez o mesmo ônibus, com o motorista já estressadinho.
- Prondé qui vai esse ômnis? - Pergunta ela mais uma vez.
- Pro Inferno! – Responde o motorista
Com a simplicidade que lhe era característica, Teodora não se sentiu ofendida. E humildemente perguntou:
- Mais ele passa in Sobradinho inhantes?
O motorista não teve como não liberar um sorriso amarelo e, sem graça, pedir desculpas à passageira.

(Causo recolhido e enviado por Edelson Silva Pereira Lopes, de Brasília-DF)
Postar um comentário