14/04/2013

POLÍCIA PRA QUÊ?




Deodato saiu de Tabuí pra ganhar a vida que tava custosa demais da conta. “O negóço é í pa Brasília, cidade nova... Lá deve de tê muita chancha preu”... E foi. Em Brasília, arrumou um empreguinho, passou pra outro e foi pulando de emprego e arrumando a vida.
Quando já tava melhor das pernas, passou a estudar, pois, mais inteligente que os políticos que infestam a cidade, descobriu que o estudo abre horizontes para a vida. Em pouco tempo, não mais que cinco anos, estudou tudo o que queria e precisava e já era empresário do ramo do comércio. E ganhou a vida. Comércio bem localizado, mulher empregada, filhos em escola boa, casa com o que havia de melhor, viagem duas vezes por ano. Era a vida que pedira a Deus.
Tanta coisa boa atrai o olho alheio e foi assim que, certa noite, Deodato acorda com um barulho no quintal. Pelos vidros que rodeavam a casa, notou que havia um estranho rondando a propriedade, já do lado de dentro dos muros, como que procurando uma forma de entrar. Como a casa era segura, ele não se assustou. Tranquilo, falando bem baixinho, conseguiu avisar à polícia. Disse-lhes que o estranho não estava armado e que, se chegassem rápido, pegariam o ladrão sem nenhum problema. A polícia informou que infelizmente não havia viatura disponível no momento e que, assim que chegasse uma, iriam ao endereço anotado.
Depois de uma meia hora, sem nenhum sinal de polícia, com o ladrão ainda procurando forma de entrar na casa, Deodato ligou novamente.
- Ó, não precisam mais ter pressa. Já matei o ladrão com um tiro certeiro de fuzil AR15. Ficou com a barriga toda escangalhada.
Nem cinco minutos se passaram, acontece a maior barulheira na rua. Chegam seis carros da polícia de uma vez, com as sirenes ligadas, um carro de bombeiros para resgate, um helicóptero que acordou a vizinhança até a um quilômetro de distância, uma turma da televisão e outra dos direitos humanos da OAB. O ladrão foi preso em flagrante, assustado com tanto movimento, pensando, decerto, que iria entrar na casa de algum político importante. Mal sabia ele que era apenas a casa de um cidadão que nascera na distante Tabuí.
Foi aí que veio o comandante da operação, um capitão sei lá das quantas, nervosinho, subindo nas tamancas, interpelar o Deodato:
- O senhor por acaso não avisou que tinha matado o ladrão?
- Avisei, nobre capitão. E vocês não me disseram que não tinham viatura disponível?
Postar um comentário