19/04/2013

CUECA EMPRESTADA


Crescinho ia casar com a Teodorica mas tava preocupado. Resolveu, num dia em que ia a Tabuí conversar com o Padre Anacleto pra marcar a data, abrir o coração com o amigo Jucilde, bem lá no meio do cafezal.
- Cumpade Jucilde, tô pa casá ma tô pricupado... Ieu num tenho cueca, sô! Nunca usei esse trem...
Jucilde, que era conhecido como homem resolvedor de tudo quanto é coisa por aquelas bandas, aliviou o sofrimento do amigo.
- Ah, cumpade Crescim... Tem pobrema não, uai! Resorvo isso e é gorica mezzz!...
Foi atrás de um pé de café, tirou a cueca e entregou pro Crescinho.
- Aqui, ó! Impresto a minha procê!...
- E cumé qui uso esse trem, sô?
- Difícir não, sô!... Facim demais da conta... Cê bota ela co lado amarelo pa frente e o marrão pa trais, uai!...
Postar um comentário