16/03/2013

TIÃOZIM PULOU A CERCA


 

Na fazenda do Joca Dongueiro apareceu o vizinho, um velho fazendeiro, bravo como uma caninana, pra tomar satisfação com o Joquinha.
    - Cadê seu pai, menino?
 - Pai tá viajano, sô Trajano!... Mas é ieu qui tô tomano conta da fazenda e dos negócio dele... O sinhô pode falá!
- É ocê, seu bostica? E ocê arresorve tudo?
- Acho qui resorvo, sô Trajano... Tudo quanto é bostica...
- Pois intão é o seguinte: seu irmão mais véio, o Tiãozinho Donguero andô andano ca minha fia e ela agora tá buchuda... Cumé qui vai ficá esse negóço?
Joquinha pegou a caderneta e começou a analisar as anotações. “Cruzamento de porca com o meu javali é 50 conto; cruzamento do meu bode com cabrita é 80 conto; cruzamento do meu cavalo alazão com égua é 150 conto; cruzamento do meu toro holandês com vaca é 200 conto”. O moço virou e desvirou mais folhas, como se estivesse procurando outras anotações... Depois, fechou a caderneta meio desanimado, olhou pro velho Trajano e concluiu:
 - Ó, sô Trajano, tô discunfiado qui nóis num vai cunsigui resorvê isso daí não... Meu pai num dexô anotado quanto quiele tá cobrando pelo sirviço do Tiãozim não!...
Postar um comentário