06/01/2013

CONVIDADA FORA DA LISTA

     Inocêncio tinha disso. Vez ou outra convidava a cambada de amigos pra um rega-bofe no quintal. Aí tinha de tudo um pouco. Carne de porco, de boi, de ovelha... Cerveja e pinga à vontade e até guaraná pras mulheres que, em geral não eram muito chegadas em bebida com “arco”. Mas naquele dia o Inocêncio tava meio com um pé lá atrás.
     - Gente, cuidado... Ainda farta a burundanga!
     Passava mais um tiquim, tava o Inocêncio lembrando de novo que ainda faltava a burundanga. Mas que burundanga é essa, gente? – todos se perguntavam. Será que é a nova namorada de Inocêncio? Mas como o homem era meio sistemático, ninguém perguntava diretamente pra ele, com medo de desfeita ou com receio de estragar alguma possível surpresa. Pois houve até quem pensasse que esse troço de burundanga não fosse nada menos do que uma comida bem gostosa, que seria servida no final da festa, para surpresa dos convidados. 
     - Gente, num esquece que tem a burundanga ainda, heim!?...
     Só pro final da festa, com todo mundo cheio de mé e as mulheres arrotando guaraná, é que descobriram a tal da burundanga. Foi quando Inocêncio, na maior inocência, chamou a empregada e ordenou:
     - Pode trazê a burundanga!...
     Aí a muié gorda, com cara de poucos amigos, chegou trazendo a cachorrinha que caiu de boca no pratão que lhe fora servido...
Postar um comentário