24/01/2009

A Mulher Que Queria Ser Viúva

Prefeito de Tabuí resolve construir um galpão para abrigar a feira da cidade. Contrata dois pedreiros e um servente e manda executarem o empreendimento. Já quase no final da obra, estão lá os três tirando as estacas que seguravam a laje quando o servente, o Raimundo Capeta, tem uma puta dor de barriga e corre pra privada lá no fundo do terreno. Os dois pedreiros continuam sua tarefa mas nem bem terminam de tirar o escoramento, o teto vem abaixo. Morrem os dois amassados pela laje mal feita.
Prefeito fica apertado. Medo de processo, de indenizações, etc. e tal. Resolve agradar às famílias dos mortos. Decreta luto no município por três dias e eleva os pedreiros à condição de heróis da cidade. Uma semana depois manda celebrar missa e convida o povo à Câmara Municipal para as condecorações “post mortem”. Faz discurso. Promete salário vitalício às viúvas , estudo e material escolar de graça para os filhos e até um tal de plano de saúde.
Povinho todo fica satisfeito com o prefeito e houve mulher que queria estar na pele daquelas viúvas. Até que a mulher do Raimundo Capeta não agüenta tanto sufocamento e solta o verbo enquanto tasca um beliscão na barriga do marido:
- E ocê, heim? Tinha que tá cagano naquela hora?
Postar um comentário