05/02/2013

DESEJO DE GRÁVIDA





 

Praxedes saíra de Tabuí com sua Marília uma semana atrás. Grávida, de cinco meses. Foram passar uns dias na praia para, na linguagem da Marília, curtir a gravidez, no que o Praxedes muita graça não tava achando. Aquela praia só tinha água e areia. Semana inteira, cruzcredo! Faltava diversão.
Naquela noite, tarde da noite, Marília dá vontade de comer caranguejos e obriga o coitado do Praxedes a providenciar um tanto pra ela. O moço até achou bom aquele desejo da cara metade pois, afinal, iria sair sozinho àquela hora, o que mudava um pouco a monotonia daqueles dias.
Foi assim que, numa esquina bem movimentada, quem ele viu? A namorada dos tempos de escola. Oi pra cá, oi pra lá e resolvem tomar uma cervejinha para comemorar o encontro. Uma cervejinha chamou outra e mais outras, acompanhadas de beijinho aqui, beijinho ali, mão na mão, mão chegando perto daquilo e empolgação demais da conta. Vão os dois lá pra praia e recordam e recordam e recordam os velhos tempos. Quando Praxedes dá por si, o dia tá amanhecendo e o sol começando a mostrar a cara. Aí ele dá um grito, assustando a coleguinha de escola, antes de sair correndo:
- Meu Deus! Os caranguejos!
Acha um pescador e compra umas três dúzias de crustáceo, bota tudo numa lata e sai correndo rumo da pensão, procurando descobrir a desculpa que iria dar para Marília por tão grande atraso.
- Vou ter que contar pra ela, meu Deus! É a única solução. Tô ferrado! Também quem manda gostar tanto de um rabo de saia? Se estrepei!
Assim que chega à pensão, pensando que a porta tava trancada, encosta-se nela para pensar mais um tiquim até ver se aparece aquela desculpa de que ele tanto precisava. Mas ao forçar a porta com a cabeça, a porta se abre repentinamente, a lata cai e despeja caranguejo pra tudo quanto é lado, e eles se espalham pelo corredor a fora.
Marília, preocupada com o sumiço do marido, tava só cochilando e acorda tonta e assustada. Aí ela viu que era, de fato, o marido e se emocionou quando o ouviu dizendo pros bichinhos caranguejos, enquanto os empurrava para dentro do quarto:
 - Vamos lá, caranguejada! Demoramos, mas chegamos… Agora todo mundo pra dentro!


(Da internet. Reescrito.)
Postar um comentário