18/03/2010

Raimundo Barbeiro entra na agulha

     Chegou dia de Raimundo Barbeiro tomar a vacina contra a gripe, à qual o povo dava o nome de vacina dos véio. Bem magrilim, foi animadim procurar a esposa, pensando em dar uma bisoiada na enfermeira loira do hospital.     
     - Muié, cadê minha cardeneta?
     - Tá na gaveta embadapia, home!
     Raimundo tinha as coisas em ordem. Na caderneta, as anotações com relação à sua saúde, da qual cuidava com todo o esmero. Na fila do arremedo de hospital que havia em Tabuí, nosso herói era amigo de quase todo mundo e batia papo com um e com outro enquanto esperava sua vez de entrar na agulha. Entrega sua caderneta pra uma moreninha de branco e fica de butuca esperando ela chamar seu nome. Niqui chega a hora, a moça olha pra ele com o rabo do olho e, parecendo assustada, comenta alguma coisa com a colega loira – a paixão do Raimundo. Olha pra ele de novo e faz um gesto de dúvida. Até que pergunta:
     - Foi aqui memo que o sinhô tomô a úrtima vacina?
     A pergunta aziou o Raimundo Barbeiro. Já tão creno que tô caduco! Isso é o que dá, botá aqui essas moça que nem sabe lê direito, pensou ele.
     - É craro que foi, uai! Causdiquê só vacino aqui, ô sá!
     - Como é memo o nome do sinhô?
     - É Remundo, muié! – respondeu ele, pronto para apelar.
     - Mas é c’aqui tá iscrito vacina anti-rábica e seu nome num é Sadan Houssein?!!!
     Raimundo baixou a cabeça, sem saber onde colocar a cara, tamanha a vergonha que passou, na frente da turma e vendo a enfermeira loirinha dar uma gargalhada. Só aí é que descobriu que pegara o documento na gaveta errada, a do cachorro. Sua desculpa, com sorriso amarelo, falando baixinho no ouvido da enfermeira moreninha, foi:
     - É a droga da minha muié, uai! Ela só apronta bagunça naquela casa, sô!






Postar um comentário